One Healthy World

At the dawn of the month of March 2020 the world witness with apprehension another zoonotic pandemic with unknown extension and damage prospects. With its epicenter at the “Wet Floor Market” in Wuhan and the first cases popping up right at the beginning of the longest holiday period in China, the Lunar New Year, its shockwave quickly spread out, first throughout China and then to the world. Although its real impact is yet to be shown and still to be measured in terms of life and economic losses, this new epidemic soon turned into pandemic has been causing an immense disruption in both China’s domestic economy and international supply chains. As consequence, world Stocks Exchanges plummeted in its worse fall since the Great Crisis of 2008, -11%. To put this into perspective, the Brazilian GDP, the 9th economy of the world, has simply vanished from the business pipeline, an estimated US$ 2 trillion Dollars (so far) had been wiped out from the table in just 7 day. Countries’ GDPs are being revised for the low and the World Economy tingle with the the barrier of +2,50% world GDP growth, which is an indicative of a world economic recession as its below population growth. As a result of the Sars-CoV-2, China’s first quarter economic growth is expected to slip to about three percent or lower, down from six percent in the previous quarter, which would be the weakest result in nearly 30 years. The Chinese government has already informed they will release special funds to mitigate the situation and invest in companies that would come with solutions and Central Banks around the world are called in to do what they do with the weapons they have: inject more money and decrease interest rates in an overloaded world economy with unforeseen results. These means will never meet its ends.

So, as we write this paper at the weird man-made day of 29th February 2020, this new coronavirus (Sars-CoV-2), is a newcomer at the now seven strains known to infect humans causing illnesses in the respiratory tract. Four of those strains cause common colds. Two others, by contrast, rank among the deadliest of human infections: SARS, and MERS. Now this This Sars-CoV-2 that has, to date, infected more than 85,000 people in the world, with almost 40.000 cases clinically closed and a mortality rate of around 7% among those clinically closed ones, figure which is much higher than the 3% that has been ventilated in the last days, which is based on . If these same figures are taken as guidance for the still opened cases (not clinically closed), and if it is also taken into consideration that the virus head towards countries with less physical and financial resources, where societies are less behaviorally cohesive as the Chinese one, where it is not possible to build up a 1600-bed hospital in a whopping 10 days, where statistics are less reliable and medicine isless prepared to face the outbreak than in China or in the USA, we might be facing something that might run wild for a period longer than expected. This is a scenario, maybe one of the worse ones but factible one (nao quero levar ninguem à conclusoes precipitadas).

The purpose of this paper is not only to revise the interaction between the Sars-Cov-2 and the economy but also look ahead beyond this current crisis (that should be tackled with the available resources), and raise the following question: knowing the likelihood of a next outburst, knowing that a next zoonotic pathogenic pandemic might cost something between 2 and 4 Trillion Dollars (say this would be the world’s budget to prevent a next outburst), what should have been done to start implementing a Global Response to Zoonotic Pathogenic Pandemics as quick as possible? Why not change the response, and instead of drowning the economy with more money aimed the end of the pipeline, why not invest on creating systems and mechanisms to prevent and avoid zoonotic pandemic diseases as much as we can? This question came to my mind when I started to investigate the sanitary system in China for investments reasons, and realized that China’s The National Medical Products Administration mandate has a lesser prominent role preventive actions on food security than their counterparts as the FDA in the USA, and the INMETRO/ANVISA/MAPA in Brazil, and the lack of preventive and controlling measures of veterinary sanity and safety. And China has a two-prong challenge: China must do its homework on banning sales and consumption of wildlife, which goes towards a profound social change in eating behavior while creating a new integrated system to control food origin and zoonoses, something normally very difficult to achieve but possible in a society such as the Chinese one (for more information see Hofstede’s dimensions). All of this link to the propose and purpose of the One Health concept as an integrated action framework between mankind and wildlife upon which a new system can be deployed in order to better prevent the next virus outbreak and avoid trillionaire losses in US Dollars. Understanding the cycle of this virus, its particularities and how it can disrupt the world economy now if not contained and in the future, in is key to forecast the scenarios and risks brought by this new outbreak and, what’s most important: what to do now in order to avoid the next one.

 

Looking the past: other zoonotic pathogenic pandemics

Viruses are fascinating creatures. At the edge of the reign of the living and the non-living, these creatures adapts to the environment in search of its continuous objective: to replicate and spread continuously and in the most efficient way. As we do, “learn & perfect”, in its way they do the same. And we are their cute hosts: warm and liquid, capable of travel long distances carrying our unlikely guests and meeting other living creatures the same species in an ever increasing offer of bodies to harbor them: we are 7.7 billion on our way to become 10 billion human beings in this planet, a big herd. But In this process of “learn & perfect” viruses made some blows, reason why the most virulent ones, the ones with short incubation period and acute and deadly symptoms such as Ebola, Hanta, Marbourg or even the H5N1, are not the most prone to pandemics as they kill the host too quickly to be spread around. More deceptive viruses, thus more spreadable viruses, are the ones with longer incubation period and that debilitate the host only when its viral load is too high to be supported by the host’s immune system and other opportunistic pathogens make their way. If this was a battle strategy (or indeed it this is the most efficient one: “spread before attacking”. Bringing to a more factible example, these tactics and strategies can be seen being replicated even with digital viruses: there is an efficiency curve, but the longer a virus travels without being noticed the higher is its replication, maximizing its objective and, intentionally or not, damaging or disrupting the individual (computer) and the ecosystem (network) where it operates when it’s cycle is over. So, from the virus perspective the best of the worlds would be a very contagious strain with long time span to show symptoms, allowing the host to be in contact with as many others individuals from the same species as possible, with low host’s mortality rate and the possibility of reinfection.

Differently of what happened during the SARS epidemic (another zoonosis) in 2003 in China as well, it seems that this time the Chinese government has done a proper job of restraining circulation and confining people, imposing a 14-day quarantine (this info is going to be used later on here) for the ones transiting between hot and cold areas, shutting down roads and railroads, restricting flights, warning people to avoid agglomerations. However, unlike the Sars-CoV-2, as some disease modeling and case studies suggest, that spreads fast and is highly transmittable, the SARS had its spreading range hindered by the promptness of how symptoms appeared to the ones carrying the virus: between 3 to 5 days the infected switched from asymptomatic to symptomatic. The Sars-CoV-2 has a different process and hosts remain asymptomatic for much longer, reportedly between 10 to 14 days, but a good part of them (an estimated of 20%) transmits the virus even while asymptomatic. And with the changes in the world from 2003 to 2020 (demographics, lifestyle, urbanization, cross-continental travels, etc.) pandemics are, until further notice, each day easier to happen.

What we already know about the nCoV-19

  • incubates for up 14 days (against SARS 3 to 5 days, for example), hosts might be transmitting while asymptomatic
  • Quickly spreads and easily transmitted (it took eight months for the SARS to infect the same amount of people the Sars-CoV-2 already infected in just three weeks)
  • Its gravity is worse than normal flu (contrary to what’s been broadcast)
  • Does not prefer cold but cold conditions weakens people’s immune system
  • Low to moderate mortality rate
  • Large agglomerations facilitate its widespread

 

What’s yet to be confirmed

  • Can reinfect (this would be a novelty in the virus realm unless a virus suffers a mutation – like the Dengue Fever A, B and C strains)
  • Mortality rate in other countries as the disease spreads to Southern Hemisphere countries (although its economic relevance would be less important to the world economy)

 

Nobody wants to be part of the 3%

Human beings are a very intelligent species, its brain was geared to make calculations automatically and this is what differentiate us from other species. Our brain, optical and somatic nervous system have developed into a very efficient hunting machine: we can calculate trajectories and kinetics, if you throw a ball towards a dog he will deviate; if you throw a ball towards a human being he will judge its risk and will deviate or catch it, a much more complex, refined and coordinated movements. We calculate everything. We rank, assign, judge, compare and classify automatically. So, for anyone exposed to the possibility of being contaminated by and, unfortunately, become part of the 3 or 7% the calculation for this epidemic is very simple: avoid risks, avoid situations where an individual can be potentially exposed to the virus which can be transmitted by someone who’s still asymptomatic. So, would you come back to work at your office on Monday if you know there was someone who’s been shown symptoms only during this weekend, which means this person would be infected – and possibly transmitting – in the last 10 to 14 days? And within the time span of 14 days how many people had been infected and how long it would take for them so have the virus confirmed? And for the ones with contact with contaminated individuals, how long would that take to show symptoms? 14 days is a long time for counting who has Cov-19 (the disease) and who hasn’t and for the ones still not infected in the middle of infected ones the subjacent question would be: should I take the risk of going back to my everyday activities and return to school, office, factory? Or should I self-impose a quarantine until this wave passes away? And for the ones who don’t have this choice what to do? N-95 masks (already in shortage in the market), alcohol and pray? And as the Sars-Cov-19 reaches more countries in the Southern Hemisphere, where the expected mortality rate could be high the impact in the world economy would be low, as the Southern Hemisphere countries – excluding China – respond for only 27% of the Total GPD of the world (confirmar dado na database IMF).

But, being anywhere in the world, nobody wants to be at the wrong side of the distribution curve, nobody wants to be at the 3%. Or 7%.

 

Conclusion:

At the moment the Chinese government starts to lift some of the very restrictive circulation procedures they had to put in place more than 30 days ago in order to contain the highly transmissible virus spread. Now some shops and markets were allowed to open in an attempt to engaje business and make life looks normal again, after families mourned their losses, schools been interrupted, social tensions due to uncertainty and businesses been deprived from revenue for such a long time, impacting whole supply chains in China and worldwide. And after those last weeks following the subject, the last readings are that the virus is highly transmittable but has a relative low rate of mortality, which gives a first sign of relief that “it might not be as bad as it seems”. Yes, from the mortality rate perspective it seems – luckily – that this is not “as bad as it seems” although we shall watch how it spreads. It must always be taken into consideration that the product of a high infectious rate times low mortality rate is something different, in absolute terms, if we speak about 100.000 people or if we speak about 4 million people. Reason why this epidemic is so disruptive: in order to tame the infectious rate either a vaccine or a halt of human physical contact is necessary. Both cost money, time and lives.

In a world which depends of movement to create value, countries and economies slowly bog on the empty supply chains, arms don’t reach markets anymore. And while the world briefly breath – as if it would be possible – that the mortality rate of this nCorV-19 seems below SARS’ but well above any other influenza virus it is time for the countries – starting with China for several reasons – to start looking at this subject from another perspective. Through discipline and seriousness China can be capable of showing a fascinating way of promoting deep cultural changes in food habits would be and create a proper sanitary vigilance system based on One Health principles that would be of great benefit for the whole Mankind. The great advantage is that China has been showing in the last 20 years that they are capable of great feats and this will be another showcase for the whole world.

This is my thesis, what’s yours?

Good luck for us all.

Neymar, PSG e a Imagem do Brasil

Para muitos pode parecer frivolidade e besteira, mas para quem trabalha com outros países isso é de um desgaste… constrangedor. comportamento, valores, imagem, tudo torto até nos mínimos detalhes.

sim, somos do tamanho dos nossos heróis…

https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2019/08/12/xingado-pela-torcida-neymar-ja-some-de-lojas-do-psg-e-nem-vai-ao-estadio.htm

A Romania de 2002 e a Reforma da Previdência

Bom dia… eu sei que é meio chato falar de política e economia no domingo mas… é assim, cada um se diverte com o que gosta!

Muitos anos atrás, quando eu era magro e tinha cabelo – muito e preto (prova enclosed) visitei com amigos locais uma Romania “quase recém saída” do regime do Ceaucescu. O país era uma mistura de montanhas e cidades rurais do século XIX e Bucareste central, que parecia uma mistura de Paris dos anos 30 com prédios megalomaníacos do seu ultimo ditador soviético e blocos enormes de concreto nos quais pessoas moravam. Chamavam a isso de “prédios residenciais” como sabemos como são, os havia visto em Berlim.

Seu povo, pobre num país rico, fervorosos católicos que agora podiam expressar sua fé de que dias melhores viríam, por que naquele momento era apenas o que podiam fazer…

Enquanto passeava com meus amigos locais por Bucareste, tudo muito cinza, cidade sem cor, carros brancos, azuis e cinza apenas pontilhados por alguns vermelhos saudosistas, tentava buscar as perguntas para entender o que havia acontecido ali, até que entramos em um bairro específico. Mansões lindas, free estand ou pequenos prédios charmosos de 4 andares, em terrenos muito grandes mas um pouco mal cuidados, uma area elegantemente decadente. E daí meu amigo me disse: “isso tudo aqui era proibido de visitar durante o regime de Ceausescu…” e claro, entendia fácil o porquê: jardins, praças com canteiros de flores, percebia-se que havia sido um lugar muito bonito…

E eu perguntei: “e quem morava aqui? Quem construiu isso?”

Ele me explicou: “essas mansões foram feitas no curto ciclo de grande força econômica do país, entre as duas Guerras européias, éramos o maior produtor de petróleo da Europa e um dos maiores produtores de alimentos também, Bucareste era conhecida como “a pequena Paris”… mas fizemos escolhas erradas, o país se alinhou à Alemanha nazista e depois da Guerra, como éramos de menor interesse para os aliados que a Alemanha, entramos como moeda na troca e ficamos para a União Soviética…”

“- Uhm… é… e essas casas?”

“- Bem, essas casas foram abandonadas depois da guerra mas com a chegada dos Russos, primeiro elas foram usadas por eles e, depois, quando foram embora e deixaram seu governo-satélite, foram ocupadas pelos burocratas do governo…Nós não podíamos passar por aqui, era tudo fechado com blocos, arame farpado, guardas e cancela… esses eram os nossos magnatas comunistas!

“- como assim?”

“- Ganhavam bem, tinham seus próprios supermercados, lojas de roupas importadas da Europa e dos EUA, dirigiam seus carros, moravam nessas casas mas aí de quem dissesse alguma coisa! Vc não sabia se o seu novo vizinho não era da policia, e eles faziam exatamente isso: te forçavam a se mudar de onde vc vivia, da sua casa, do seu bairro, dos seus amigos… todo mundo, era compulsório, e te diziam “cuidado, seu novo vizinho pode ser da policia e estsr te vigiando…” e diziam isso para todos! Assim vc nunca, nunca sabia se voce iria ser denunciado por algima coisa (escrevendo isso hj eu me lembro do projeto do Lucio Costa para Brasilia, me dá calafrios…). A Revolução Comunista, tanto aqui quanto na Rússia e nos outros países satélite foi, na verdade, a substituição da elite burguesa arcaica e exploradora pela elite de funcionários públicos, arcaicos, eles mesmo burgueses, e exploradores. Na fábrica onde eu trabalhava – forçado, porque não queria mas um trabalho me foi determinado, ganhava o equivalente à 400 rublos, todo mundo ganhava isso e 90% era infeliz.. mas a gente se acostuma. Por sorte não tocaram em parte das terras da minha família, muito trabalho para eles, e fazíamos algum dinheiro extra vendendo lenha no inverno…”

“E agora?” “Agora não sabemos…”

“- E o que aconteceu com essas pessoas, esses burocratas que moravam aqui?” “-bem, muitas já morreram, seus descendentes sumiram, outros foram presos, acusados de roubar, mas vc sabe, tiramos uns, entram outros… só não moram mais aqui… muita visibilidade! Os mais inteligentes no início do processo foram embora, grande parte para Moscou, aprendemos. Cirílico na escola, outros para Paris, afinal, éramos ou não a “pequena Paris? E hoje temos os novos magnatas do petróleo e a Mafia local… rsrsrs, mas temos novos negócios, hoje as empresas de fora começam a olhar para nós…

Resumo, hoje a Romênia é parte da União Europeia e tem um PIB per capita (PPC) de mais de US$ 19.000,00 e IDH 0,811 contra os US$ 15.600,00 e IDH 0,759 do Brasil. Somos próximos hoje, além do idioma de base parecida (voce, com boa vontade e criatividade consegue ler algo em Romanche). E em comum tanto lá quanto cá a elite dos funcionários públicos… por 40 anos uma pequena classe de burocratas, privilegiados pela proximidade do poder e que organizaram um país para lhes dar conforto e segurança enquanto que os demais cidadãos vivem nos 400 rublos + dinheiro da lenha. É justo o protesto deles, afinal de contas não criaram as regras, apenas as seguiram. Mas não lhes deixam mudar, essa é a diferença tanto la quanto cá e, na era dos extremos, fazer qualquer crítica aos privilégios de poucos é quase crime lesa-pátria, não podemos. Mas fica a provocação, fica a ideia de que por mais difícil que seja abrir mão de uma gorda aposentadoria cedo na vida para gozar por muitos anos, talvez até mais do que os que passou trabalhando, é a justiça e a ética para além dos privilégios legais que está em jogo. Nesse momento estamos laceando a corda dos funcionários públicos e deixando a outra corda tensa. Não é justo.

O MST na Holanda (e o que voce deve saber sobre ocupação fundiária e territorial no Brasil)

O MST na Holanda!
Para aqueles que ainda não sabem , estou na Holanda, vim para trabalhar por uma semana e tambem rever amigos queridos. Nesse fim de semana participei de uma das mais tradicionais e únicas tradições Holandesas, a festa de Sinterklaas, ou de São Nicolau, que no dia 05.12 vem da Espanha com seu auxiliar, Zwarte Piet (essa é uma outra looonga estória…) para distribuir presentes… é o nosso relativo ao 24.12 no Brasil e outros países católicos… mas, novamente, essa é uma outra estória…
A estória que eu quero contar aqui é diferente. Num dado momento um dos meus sobrinhos (troquei fraldas, dei papinha, brinquei, fui babysitter dos três, então sou tio!), de 14 anos, chega para mim e me diz: “Mario, que bom que voce está aqui! tenho uma apresentação sobre o Brasil amanhã no colégio… voce sabe alguma coisa sobre o “MST e como os grandes fazendeiros expulsam os pequenos proprietários das suas terras no Brasil”?
Oi? Como???
“é, a professora pediu, temos que fazer uma apresentação sobre o Brasil, sobre o agronegócio, o MST…”… “Entendo”, disse eu, “pois bem, coincidencia ou não essa é uma das minhas áreas de conhecimento, vou te explicar a minha visão que pode ser diferente da visão da sua professora, mas vou te mostrar o filme e não a foto oke?” E comecei a desconstruir, com fatos e dados, o ponto central da questão que ele me apresentou, e a lhe mostrar que existem vários Brasís dentro de um lugar só chamado Brasil e como essa coisa toda funciona…
Comecei por aqui: “bem, para existir agricultura voce precisa de 4 fatores fundamentais: “terra, água, conhecimento e capital, oke?”, mas antes de falar sobre isso preciso te explicar um pouquinho sobre como ocorreu a ocupação do território do Brasil. E fui lhe mostrar a Historia do Brasil, uma pequena parte.
Comecei em 1494, com o Tratado de Tordesilhas que dividia o Mundo conhecido e desconhecido entre Portugueses e Espanhois sob as bênçãos do Papa. Mostrei o país dividido em 15 capitanias hereditárias, concedidas aos amigos do Rei para que fossem explorados seus recursos naturais, pois Portugal não tinha recursos para explorar o novo território. A primeira imagem que lhe mostrei é histórica, sobre como ocorreu a ocupação do espaço “recém descoberto” (não vou entrar nessa discussão aqui) pelos Portugueses e que mais tarde veio a se chamar Brasil.
Ele me perguntou sobre essa parte amarela e eu lhe disse que pertencia aos Espanhóis, mas que estes demonstravam pouco interesse naquelas terras do centro do continente, ocupados eles que estavam com a prata, o ouro e as esmeraldas na costa Andina (Peru, Bolivia, Colombia…), e então ilhe expliquei o que foram as Entradas e Bandeiras.
Falei sobre a “relação” entre a população autóctone e os invasores, sobre o escravagismo dos indios e também do seu exterminio em massa por doenças ou armas, o que fez com que os Portugueses começassem a trazer negros da África, assim como seus contemporâneos ingleses fizeram nas colônias da América do Norte. Contei estórias, ou historias, sobre os ciclos da Carne, do Açúcar, do Café, do Ouro… expliquei um pouco sobre a Abolição da Escravatura e sobre como, com isso, os negros fugidos ou recém libertos, sem dinheiro nem estudos nem trabalho se juntaram em guetos, no campo chamados Quilombos, nas cidades que começavam a se formar, as Favelas. Expliquei então sobre as migrações Européias e Japonesa para o Brasil para substituir os negros alforriados desde a segunda metade do século XIX, sobre como vieram os Alemães, os Italianos, Espanhois, Poloneses e tantos mais Europeus fugidos da Grande Fome do final do século retrasado na Europa (e como os Irlandeses foram para os EUA) e chamados para trabalho remunerado e ganhar algum dinheiro, dinheiro juntado com muito sacrificio para poderam comprar seus primeiros pedaços de terra para fincar raízes. E daí começei explicando a urbanização e como as pequenas propriedades começaram a aparecer, primeiro na região sul do Brasil, área montanhosa e fria que atraiu os imigrantes europeus, vindos com sua cultura de pequenas áreas de trabalho e espírito cooperativo, e depois principalmente os japoneses em torno dos primeiros núcleos urbanos que começavam a se formar e como a forte têndencia gregária dos japoneses os trouxe para próximo de seus conterrâneos já instalados no país. E mostrei que, diferentemente do que acontecía na região Sul e Sudeste, nas regiões Centro, Nordeste e Norte do Brasil as coisas não eram assim… esperava a pergunta que veio afinal: 
“e porque não é assim nessas outras regiões?”…
uhm, vamos lá então falar sobre outros fatores que afetam a presença do homem no território e a agricultura e produção de alimentos em geral, vamos falar de Solo e Água. Então lhe mostrei essas duas imagens, muito relevantes mas desconhecidos para a grande maioria das pessoas: o pH do solo e o regime de chuvas:
Terra:
O pH do solo, lhe disse, é um dos fatores mais importantes na agricultura, ele é quase um resumo (o certo sería usar a palavra “proxy”) da qualidade de solo que voce tem disponível para agricultura. Solos muito ácidos ou muito alcalinos não são bons para a agricultura, entretanto o ser humano vem trabalhando em solos alcalinos por muitos milhares de anos, principalmente na nossa civilização ocidental, desenvolvendo técnicas e selecionando variedades que vão melhor nesse tipo de pH, mas o conhecimento, a técnica e mesmo o custo de transformar solos ácidos em solos de pH neutro (o melhor para a agricultura) é relativamente recente e custa muito, muitos recursos… então, se voce olha o mapa de pH do mundo voce verá que as áreas mais nobres para a produção agrícola são as de pH de neutro para alcalino, como o meio-oeste norte americano, a Ucrania, partes do sul verde da África e norte da China. E isso é determinado pela idade do solo (o Brasil está em uma área muito antiga do continente, dessa placa tectônica), pela temperatura e pelo regime de chuvas (o que implica na velocidade das reações químicas). E isso é fato, e o fato  é: o solo do Brasil é, via de regra, ruim para agricultura.
E para aprimorar essa visão lhe mostrei uma foto que eu tireiem Santa
Cruz – RN, nalgum momento no meio do ano passado (2017)… primeiro essa…
Santa Cruz – RN, Brasil
e ele disse “seco”…
então lhe chamei atenção para um detalhe na foto…
Santa Cruz, RN, Brasil, Zoom showing bridge over a dry riverbed

e ele disse: “uau, tem uma ponte lá, enorme, mas não tem nenhum rio embaixo dela!!” eu confirmei e então lhe perguntei: “de que vale terra sem água?” e ele me disse “nada”, e eu continuei, “então, me diz, aonde as pessoas donas ou herdeiras daquelas capitanias hereditárias no nordeste dão acesso ou direito à terras para as pessoas de lá?” e ele me respondeu “no meio daquela mancha vermelha sem chuva não é?” … “É…”

E terminei essa explicação perguntando: “e então qual é a conclusão?” ao que ele me olhou intrigado e eu lhe respondí: “a conclusão é essa” e mostrei a seguinte imagem:

brazil at night from space. Notice that population is concentrated at the coast, where the rainfall regime is more steady and access to logistics easier.
Ninguém no interior do país!!
E aqui as coisas começam a ficar interessantes… em primeiro lugar então temos, entre o final do século XIX e inicio do século XX, uma massa de imigrantes europeus que vêm para o Brasil e ocupam a região Sul, principalmente a área costeira, e as áreas montanhosas da região Sudeste (Rio e Espírito Santo), imigrantes acostumados a lidar com pequenas propriedades nos seus países de origem, e também acostumados a trabalhar juntos quer em sistemas de mutirão ou de cooperativas. Ainda no Sul/Sudeste temos uma grande produção de café (não coincidentemente numa área agrícola que vai do oeste de SC até o oeste do estado de SP e que é conhecida como Terra Roxa Estruturada,  um solo oriundo do derramamento de basalto dos antigos vulcões extintos no Brasil, e um solo muito fértil e produtivo, de pH em torno de 5,5 enquanto nas demais áreas do país o pH é em torno de 4 – sendo essa uma escala logaritmica, ou seja, 4 é 15x mais ácido do que 5,5 entende???) que vai atraindo os imigrantes, principalmente os italianos e espanhois. Entretanto no Nordeste as mudanças são poucas: o regime de chuvas, o regime de exploração da terra, as diferenças socio-econômicas e culturais vão mantendo a distância enorme entre os grupos sociais, numa estrutura de exploração agropecuária retrógrada. No Norte a Amazônia dominava, o Ciclo da Borracha enriquecia poucos bolsos e o Brasil detinha o monopólio da seringueira (a Fordlândia, fundada em 1928 para explorar o látex na Amazonia está aí para provar essa parte da estória…) mas, no Centro-Oeste, nada, absolutamente nada, uma vez que pelos olhos da tecnologia disponível nas primeiras décadas do século XX tanto o solo extremamente ácido da região quanto o regime de chuvas (6 meses de chuvas, 6 meses de seca) praticamente inviabilizava grandes aproveitamentos extensivos da terra. Pois assim ía o Brasil nas primeiras décadas do século passado, entre pequenas propriedades próximas às cidades que cresciam sem parar, pequenos produtores integrados às embrionárias cadeias produtivas no Sul do país e grandes produtores tanto de café no Sul/Sudeste quanto de cana de açúcar no Nordeste e borracha (e cacau) na Amazonia.
O tempo passa. Em SP em em MG vários ciclos produtivos se iniciam, a laranja e a cana-de-açúcar em particular enquanto que, no Sul, os imigrantes que chegaram no inicio do século e compraram suas pequenas propriedades com seu trabalho começam a se retirar da lida diária, enfrentando entretanto um grande desafio: direitos sucessórios. Como passar adiante um pequeno pedaço de terra, agora para ser dividido entre tantos filhos, para que possam dele sobreviver? A primeira pressão demográfica começa a acontecer no sul do país, em SC o preço das terras aumenta, o relevo não é favorável e os desmatamentos propiciam deslizamentos de terra, até que um fenomeno meteorológico extremo e decisivo empurra vários produtores agrícolas para uma nova fronteira: a grande geada em 1975 que destrói completamente os cafezais do oeste do Paraná e do interior de SP e que leva os produtores a buscar novas áreas e novas culturas agrícolas. E esse movimento não é isolado: o país tem uma nova capital no Centro-Oeste, a EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) fundada em 1973 em consonância com a Revolução Verde a nível mundial, inicia uma série de desenvolvimentos científicos que revolucionaríam a produção de alimentos. Além disso a EMBRAPA tinha o mandato de ajudar o país a aumentar os ingressos de divisas internacionais para contrabalancear o aumento vertiginoso do preço do barril de petróleo, na primeira grande crise do óleo, também em 1973. O país precisava de um agronegócio que encarasse a atividade agrícola com outros olhos, que aportasse conhecimento e que gerasse riqueza. E a EMBRAPA, juntamente com algumas universidades de Agronomia do Brasil (UVF em particular), desenvolveram vários cultivares e variedades de várias gramíneas, oleaginosas e outras (soja, milho, sorgo, milheto, algodão, vários tipos de capim para alimentar gado, etc), todas adaptadas às condições do Centro-Oeste (resistentes à seca, resistentes à presença de aluminio no solo (outro problema no Brasil), resistentes ao baixo pH, resistente às doenças tropicais, às pragas e outros patógenos daninhos que atacam as plantas) o que possibilitou, pela primeira vez, o assentamento de novos colonos nas novas fronteiras agrícolas brasileiras (MS, MT, GO, sul do PI, MA, TO), a criação de novas cidades e novos negocios, novas oportunidades para migrantes do RS e SC principalmente, novas oportunidades em um território com terra muito barata e que, ainda que de má qualidade inicial, com a aplicação de novas tecnologias desenvolvidas, muitas possibilidades de desenvolvimento! Entretanto, sim, de tudo isso uma outra parte da equação ainda ficou em aberto: como fazer para escoar a produção de grãos do Centro-Oeste para os centros consumidores, dentro e fora do país? Isso porque o Brasil é refém de uma infraestrutura de transporte terrestre e maritimo muito deficiente e insuficiente para as necessidades do país. Então, para ser produtor de qualquer tipo de produto agropecuário no Brasil, principalmente na área central do país não basta “apenas” querer, é necessário mais do que isso, é necessário ter o poder administrativo e econômico para produzir em local de tão dificil acesso.
MST
“Ah mas e o MST?” Pois é… o MST é um movimento interessante, aliás, a discussão sobre a posse da terra é um assunto muito interessante mesmo! E por que? Porque é o que de mais anacrônico um pode querer discutir! O MST é um movimento que nasceu no bojo do governo militar no Brasil e foi um destinado à discutir um modelo de assentamento de terras em um mundo onde a tecnologia não dominava a agricultura o que sería, hoje, como ter uma discussão sobre o direito do uso de charretes quando todos nós usamos automóveis. Discussão sobre terra é algo do século XIX, começo do século XX, uma pessoa passar de “sem-terra” para “com-terra”, sem nenhum dos outros três fatores fundamentais é pura perda de tempo. De que adianta criar assentamentos de pequenos produtores em regiões de agricultura extensiva e nao intensiva, como aquelas próximas às cidades?? De que vale invadir fazendas ou largas extensões de terra para quem não tem acesso à conhecimento e capital para fazê-las produzir em quantidade e no custo adequado para ser competitivo, para dar de sustento à uma pessoa, quem dirá uma familia? Pense bem: um hectare (10.000m2) produz em média 3.500kg (60 sacas de 60kg) de soja que valem hoje no mercado algo em torno de US$ 20,00/sc ou US$ 1.200/ha de receita, isso fora as despesas… ou seja, levando-se em conta que um agricultor médio tenha 10% de margem bruta de lucro estamos falando de R$ 480,00/ha/ano, isso contando que tudo deu certo, que tudo foi bem…
então a pergunta que fica é, e foi a mesma que eu fiz para meu sobrinho: é mesmo verdade que os grandes fazendeiros expulsam os pequenos de alguma área ou o que acontece é que os pequenos não podem nem conseguem sobreviver às complexidades de produzir commodities em grandes áreas, por falta de condições de conhecimento e financeiras? E, se assim for, qual é a alternativa para essas pessoas além de serem instrumentos nas mãos daqueles que lhes insuflam à invadir fazendas como se fossem resolver suas vidas ou, pior, como se fossem puxar para baixo as vidas daqueles que eles invadiram as propriedades?
Então esse foi o assunto de domingo, uma conversa simples, baseada em fatos e não em factoides, baseada em ciência e não em achismo, baseada em idéias e não em ideologias. E como é um assunto que eu acredito que seja de interesse ou curiosidade de várias pessoas eu resolví estender essa discussão para que mais pessoas tenham acesso à essas informações e que possam questionar, complementar, colaborar ou mesmo discordar, mas sempre tendo alguma fonte fidedigna de informação para se basear.
espero que ajude.
abraços
MNG

No Left no Right no More!

The “discussion” has evolved, has shifted from the old XXth century to a new, more “left/right” to “economic/social”. The more and more we’ll see terms as “economic liberal and socially conservative” (Merz) or “economic socialist and socially conservative” or “economic conservative and socially liberal” (Delanoe, NY mayor or governor…)

New economic-political topology, much more adequate to current days.

https://www.theguardian.com/worlkd/2018/oct/31/rightwinger-leads-race-to-succeed-angela-merkel-as-party-chair

The Long Awaited Letter

Marcando o 500º aniversário do desafio de Martinho Lutero para a igreja estabelecida, o New Weather Institute e o grupo de campanha Rethinking Economics, com a contribuição de uma grande variedade de economistas, acadêmicos e cidadãos interessados, estão desafiando o ensino geral da economia e publicando o apelo a uma nova reforma em 33 teses para uma reforma econômica.

Quinhentos anos atrás na Europa, um único sistema de crença dominava todo discurso público: o cristianismo católico. Aqueles que eram considerados especialistas neste conjunto de crenças possuíam um poder imenso, uma vez que lhes permitia reivindicar autoridade exclusiva em todos os assuntos – desde as regras de comportamento até o direito de governar. Kings e Queens ouviram seus conselhos e temiam suas críticas. Os intelectuais submetidos aos limites da sua ideologia, a fim de libertar-se disso, precisavam de uma imaginação e coragem excepcionais. As pessoas comuns podem ter dúvidas, mas os sacerdotes protegem suas teorias falando em um idioma que o público não conseguia entender, escondendo qualquer evidência contraditória.

Existe agora uma situação similar na economia neoclássica. Desenvolveu-se como um sistema de crença, derivando todas as suas teorias de alguns princípios fundadores que eles próprios passam inquestionáveis. Ele passou a dominar o debate público e a tomada de decisões; e seus proponentes reivindicam autoridade especial para se pronunciar sobre todos os assuntos – do dinheiro e das economias para a migração e a soberania. Seu ensino assumiu as características de doutrinação: os alunos são convidados a memorizar e repetir, em vez de criticar e avaliar. Aqueles que disputam suas teorias fundamentais são ignorados ou marginalizados. Sua linguagem matemática, aparentemente sofisticada, apresenta ao público um folheto de especialização, enquanto obscurece os julgamentos de valor, a adivinhação e a incerteza, que é, às vezes, tão inquebrável como qualquer sistema de crenças baseado na fé.

Quinhentos anos atrás, Martin Luther quebrou o controle do sistema de crenças monopolistas de seu tempo, com “95 teses” que suas falhas claramente na linguagem comum, tornando-as claras para todos verem e propondo o início de uma nova maneira frente. Nós propomos uma nova 33 Teses para uma Reforma Econômica.

Ei-la!

http://www.newweather.org/wp-content/uploads/2017/12/33-Theses-for-an-Economics-Reformation.pdf

Será que o que pensamos pode estar errado? O dinheiro não aguenta desaforo. (mensagem à esquerda-arcaica)

Então, quem diría, ontem o Banco Central baixou a taxa de juros em 0,75%! Resultado de uma inflação finalmente decrescente (mas por um motivo não muito auspicioso) depois de vários trimestres em alta e de uma conjuntura favorável o Banco Central (hoje mais independente do que era no tempo do… como era mesmo o nome do gordinho??) entendeu o BC que existe espaço para uma queda mais ampla nos juros, o que confirmará ao mercado alguma confiança de que a trajetória da inflação é redutora.
 
Interessante… sem decreto nem discurso, sem palavras de ordem nem faces raivosas maldizendo A ou B, simplesmente temos hoje uma taxa de juros que começa a dar sinais que entra nos eixos. E daí resolví escrever uma mensagem aos meus amigos da esquerda-arcaica, espero que possam ler com algum interesse e, quem sabe, rever as suas idéias e conceitos. Quem sabe consigam enxergar a natureza sistêmica da economia, seus equilíbrios dinâmicos e como não existe nada que possa ser alterado radicalmente através de decretos.
 
Taxa de Juros primária. O que é isso? Simplificando, é o quanto o Governo tem que pagar para que financiem os seus déficits. E é como emprestar dinheiro a alguém: quanto menos confiável a pessoa é, mais caro devería ser os juros que voce cobra, normal. E é o que o mercado faz. Quando um governo começa a tomar decisões por decreto, sem respeitar os equilíbrios dinâmicos da economia, criando déficits primários, bagunçando as transferências de recursos entre uma entidade governamental e outra (tal como BNDES, Caixa, BB, Tesouro Nacional, etc), ele fere esse pressuposto e com isso os monitores do sistema (as agências de risco) levantam o cartão amarelo (ou baixam o ‘rating’ do país). Com uma percepção maior de risco o governo então tem que aumentar os juros, afinal, quem detém o dinheiro (lembre-se: o governo, ainda que arrecade muito, consegue ser deficitário e justamente porque tem que pagar juros altos!), investidores ou fundos de pensão, não querem, nao se sentem seguros ou não podem investir em empresas ou países com rating abaixo de um determinado limite. Então o que o governo tem que fazer? Aumentar ainda mais os juros. Nesse sistema todo, em toda essa equação qual é a variável que ‘mexe” com as outras??? Eu digo: é a credibilidade das ações tomadas.
 
O interessante das taxas de juros caindo é que isso faz com que investidores venham para o mercado “real” e não deixem o seu dinheiro parado no mercado financeiro, quanto mais em um país com tantas oportunidades de investimentos como o Brasil. Infraestrutura por desenvolver, 200 milhões de habitantes, temos inúmeras oportunidades de negócios, mas como um investidor, que é um ser racional, vai investir em escolas por exemplo, ou ferrovias, se, a taxa de juros quase sem risco nenhum (taxas do Tesouro Direto, por exemplo), pagam muito mais do que um retorno normal de quase qualquer negócio??? Que negócio hoje, sem risco, paga 14,5% ao ano por 20 anos?? Nenhum!!!!! Os bons capitalistas, aqueles que gostam de correr riscos e se aventurar em empreitadas, sabem que o único remédio é termos taxas de juros mais baixas, ainda muito mais baixas do que estão mas, claro, como bons capitalistas, conhecedores e respeitadores das leis da economia sabem que não adianta baixar as taxas de juros por decreto, na vontade e na marra. Novamente, é um sistema, é como água em um sifão, se voce abaixa ela aqui ela vai subir nalgum outro lugar (ou é na inflação e/ou é no cambio e/ou é no desarranjo dos preços relativos das coisas).
 
Quem já teve paciência de ler alguma coisa que eu tenha escrito sabe que eu nunca ataquei o governo do pt por ter defendido (mas não implementado) políticas consideradas mais à esquerda mas por uma série de erros básicos, primários, na condução da política econômica que levaram a um desarranjo total entre os componentes do sistema econômico. Fizeram déficits primários crescentes, criaram ‘campeões nacionais’, meteram a mão no caixa das empresas… in summa, fizeram um estrago, uma bagunça na economia. Eu não defendo a legitimidade do Temer na cadeira da Presidência da República mas tenho que admitir que, do ponto de vista econômico, as ações tomadas até agora podem vir a diminuir ainda mais as taxas de juros, o que trará várias consequências interessantes ao país: leve valorização do Real, o que ajudará os exportadores; boom na Bolsa de Valores, o que levará dinheiro ‘mais barato’ para as empresas e, consequentemente, maior capacidade de investimento e maior competitividade; aumento do interesse de investidores de todos os tamanhos para produzir ao invés de investir no mercado financeiro, o que aumentará a quantidade de empregos; contas públicas com a hemorragia estancada, o que facilitará o aumento do rating do país e, consequentemente, a diminuição das taxas de juros novamente… e por aí vai.
 
Enfim, o que eu quero dizer com isso tudo é que a economia é um sistema e que é um sistema com um ciclo e um periodo de maturação. Não adianta querer tirar o bolo do forno antes da hora (como fez o governo da esquerda-arcaica), não adianta querer apressar as consequências dos atos e das suas consequências, tudo tem um período de maturação e percepção do mercado sobre SE e COMO determinadas medidas impactam no comportamento da economia e dos agentes financeiros para daí então darmos outro passo adiante.
 
O que eu mais espero, ao final disso tudo, é que uma vez mais no grande ciclo político, que sucede o econômico, o próximo governo de esquerda não seja arcaico como foi o do pt, que não sucumba aos maneirismos que fazem parte do status quo (e do qual os petistas abraçaram com fervor) e que se possa finalmente tirar nosso povo da pior miséria que existe: a educacional e, sucessivamente, a intelectual.
 
Boa sorte, bom dia

WordPress Resources at SiteGround

WordPress is an award-winning web software, used by millions of webmasters worldwide for building their website or blog. SiteGround is proud to host this particular WordPress installation and provide users with multiple resources to facilitate the management of their WP websites:

Expert WordPress Hosting

SiteGround provides superior WordPress hosting focused on speed, security and customer service. We take care of WordPress sites security with unique server-level customizations, WP auto-updates, and daily backups. We make them faster by regularly upgrading our hardware, offering free CDN with Railgun and developing our SuperCacher that speeds sites up to 100 times! And last but not least, we provide real WordPress help 24/7! Learn more about SiteGround WordPress hosting

WordPress tutorial and knowledgebase articles

WordPress is considered an easy to work with software. Yet, if you are a beginner you might need some help, or you might be looking for tweaks that do not come naturally even to more advanced users. SiteGround WordPress tutorial includes installation and theme change instructions, management of WordPress plugins, manual upgrade and backup creation, and more. If you are looking for a more rare setup or modification, you may visit SiteGround Knowledgebase.

Free WordPress themes

SiteGround experts not only develop various solutions for WordPress sites, but also create unique designs that you could download for free. SiteGround WordPress themes are easy to customize for the particular use of the webmaster.